Destaque

Na próxima quinta-feira, 6 de janeiro, às 10:00h, acontecerá a primeira defesa de Doutorado de 2022, intitulada:

DESIGNING NEW WAYS TO COLLABORATE IN SERVICES AND PRODUCTS DESIGN: ENGAGEMENT STAKEHOLDERS’ IN PLACE INNOVATION THROUGH CO-CREATION

Ao investigar a aplicação de práticas de cocriação em design de serviços e produtos visando a inovação local, Thiago selecionou o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba como o foco de sua pesquisa. A tese amplia a base teórica e aponta diretrizes e recomendações que podem auxiliar na projeção de produtos e serviços de inovação na unidade de conservação e nos municípios que ela se estende.

Artigo publicado por pesquisadores do NUPEM/UFRJ demonstra os efeitos da duplicação rodoviária sobre espécie de mamífero silvestre em uma das principais rodovias do Brasil

Com a chegada dos feriados de final de ano e férias, muita gente começa a planejar os trajetos e itinerários de suas viagens. Nada melhor do que poder viajar com segurança em rodovias bem estruturadas e duplicadas. Entretanto, um estudo recentemente publicado na revista internacional Transportation Research Part D: Transport and Environment, e conduzido por pesquisadores do NUPEM/UFRJ, mostrou que o processo de duplicação de rodovias, como a BR101 no centro-norte do estado do Rio de Janeiro, causa impactos em mamíferos silvestres, especialmente em ouriços-cacheiros (Coendou spinosus), que figuram entre os mamíferos mais atropelados no trecho estudado. Os ouriços-cacheiros, às vezes também chamados de porcos-espinho, são simpáticos roedores arborícolas de médio porte, com comportamento pacífico, e munidos de pelos modificados em espinhos que são eriçados quando predadores se aproximam do animal. As estimativas do artigo revelam que entre 116 e 511 ouriços-cacheiros podem ter sido mortos por ano num segmento de 40km da BR101 que passou por obras de duplicação.

A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPG-CiAC/UFRJ) informa que estarão abertas as inscrições para a seleção de candidatos às Turmas de 2022/1 dos cursos de Mestrado e Doutorado senso estrito em Ciências Ambientais e Conservação.

Em ano de COP26 e muitos retrocessos relacionados à crise climática, a temática ambiental têm recebido notoriedade por meio de diversos debates políticos e técnico-científicos. É papel da pesquisa científica embasar e orientar ações para a gestão ambiental, contribuir para a disseminação de informações e compreender os fenômenos do mundo. No PPGCIAC, o compromisso e a busca por entender as múltiplas relações entre sociedade e natureza têm dado centralidade ao debate ambiental, tensionado e conflituoso entre os diversos usos e interesses no meio ambiente. Os conflitos ambientais se configuram como objetos de pesquisa que contribuem no desenvolvimento do campo das Ciências Ambientais, formando pesquisadores comprometidos com problemáticas ambientais contemporâneas e com processos educativos.

Na próxima quinta-feira, 9 de dezembro, às 12:30h, acontecerá a nona defesa de Mestrado de 2021.

Ao empregar soluções baseadas na natureza na restauração de processos e no estabelecimento de comunidades biológicas em trechos de um riacho amazônico assoreado por sedimento fino, Kayza Freitas avaliou métricas ecológicas e geomorfológicas com o intuito de identificar as características que mais contribuem para a formação de microhábitats para macroinvertebrados bentônicos.

Subcategorias

UFRJ PPGCIAC - Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação
Desenvolvido por: TIC/UFRJ