302 Found

Found

The document has moved here.

Destaque

Na última terça-feira, o Prof. Eduardo Serra, da Escola Politécnica e do Programa de Engenharia Ambiental - PEA da UFRJ, e também Pró-Reitor de Graduação da mesma Universidade, ministrou uma aula especial no encerramento da disciplina “Biodiversidade”, obrigatória no Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação (PPG-CiAC).

Dissertação de Mestrado do PPG-CiAC vira artigo sobre peixes do Arquipélago de Santana

A dissertação de Arthur de Barros Bauer, defendida pelo PPG-CiAC em abril de 2016, resultou na publicação do artigo “Marine fishes (Elasmobranchii and Teleostei) from the Santana Archipelago, a Marine Protected Area in the southwestern Atlantic”, publicado em junho desse ano na revista científica “Marine Biology Research” (Qualis B1 na Área de Ciências Ambientais).

O lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), grande canídeo silvestre de pernas longas, ícone do Cerrado do interior do país e ameaçado de extinção, agora marca presença também em Macaé, Carapebus e Conceição de Macabu – é o que aponta o estudo recém-publicado pela equipe de pós-graduandos do PPG-CiAC/UFRJ e profissionais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Macaé, sob coordenação do Prof. Pablo R. Gonçalves (NUPEM/UFRJ).

recredenciamento ppgciac

O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação (PPG-CiAC) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Prof. Dr. Fabio Di Dario, no uso de atribuições definidas no Regulamento do PPG-CiAC, informa que estão abertos os processos de Recredenciamento e Novos Credenciamentos de Docentes no Programa.

 

Mais informações podem ser obtidas aqui

 por Dayana Andrade e Felipe Pasini

 

Dayana Andrade e Felipe Pasini, alunos do PPG-CiAC e bolsistas CAPES, desenvolvem projetos relacionados à aplicação de um método de cultivo conhecido como Agricultura Sintrópica, criado pelo agricultor e pesquisador suíço Ernst Götsch. Em um desdobramento de suas pesquisas, nossos alunos realizaram uma revisão bibliográfica sobre o conceito de sintropia e sua relação com os sistemas vivos. O que eles encontraram está resumido no texto abaixo.

 

Entropia é um conceito usado em mais de uma área do conhecimento, mas é na Termodinâmica que está uma das definições mais comumente reproduzidas, segundo a qual esta seria a função relacionada à desordem de um dado sistema, associada com a degradação de energia. Desse modo, quanto maior for a desordem e a dissipação de energia, maior será a entropia do sistema. Essa concepção é intuitivamente apreendida porque encontra bases na nossa experiência cotidiana, como por exemplo quando vemos o fogo que, ao queimar um pedaço de madeira, emite calor e a transforma em cinzas. Essa definição serve aos propósitos da Termodinâmica de Equilíbrio de Processos Irreversíveis, mas também encontrou interpretações em áreas distintas do conhecimento tais como a Mecânica Estatística, a Matemática, a Teoria da Informação, a Fisiologia, a Ecologia e a Economia(a) - cada qual com sua tradução deste conceito físico para as condições específicas de seus respectivos domínios.

No âmbito do estudo de sistemas vivos, por exemplo, é imprescindível considerar sua intrínseca condição de sistema aberto e a consequente capacidade de reduzir sua entropia. A compreensão dessa possibilidade, justificada pela relação com o meio envolvente, rendeu a Ilya Prigogine o Prêmio Nobel de Química de 1977 com sua "Teoria das Estruturas Dissipativas", segundo a qual flutuações estocásticas promoveriam a ordem e o aumento da complexidade em um dado sistema, distanciando-o do equilíbrio termodinâmico.

Organismos comportam-se como sistemas abertos que superam a tendência ao aumento da entropia por meio da conversão dos recursos ambientais (alimento, oxigênio, água) em crescimento e reprodução. Essa capacidade que sistemas biológicos possuem reflete-se em níveis organizacionais hierarquicamente mais amplos ao longo do processo evolutivo como, por exemplo, na modificação e adaptação de linhagens a um ambiente eternamente em mudança. Esse processo culminou no surgimento de estruturas de organização biológica complexas no planeta Terra - e, inclusive, nada impede que um processo idêntico ou equivalente tenha ocorrido em outros planetas com características similares ao nosso.

Muitos foram e ainda hoje são os esforços para buscar uma conceituação que dê conta de abarcar uma definição universal para esse fenômeno que parece estar intimamente ligado à vida. Nesse percurso, exercícios conceituais sobre o tema apontaram para a necessidade de uma nova terminologia que descrevesse uma tendência diversa à entropia. Surgem, então, a "entropia negativa" de Erwin Schrödinger, a "neguentropia" de Léon Brillouin e a "sintropia" de Luigi Fantappiè (retomada e ampliada por Ulisse Di Corpo e Antonella Vaninni), dentre outros. A neguentropia, pela própria composição da palavra, é a negação da entropia - semelhante à formação da palavra negócio, que seria a negação do ócio. A sintropia, por outro lado, não seria oposta à entropia, mas sim complementar a ela - essa diferença é frisada por Di Corpo em uma explicação na qual a dimensão temporal assume caráter fundamental(b).

Apesar de o conceito de sintropia para Ernst Götsch encontrar pontos de convergência com alguns dos autores citados, são justamente os pontos de divergência que demonstram que sua concepção se deve menos ao breve histórico supra mencionado e mais à sua intenção de nomear uma lógica que observou na natureza e que traduziu para suas experiências em agricultura como o próprio fundamento metodológico de sua prática: a tendência ao aumento da organização e da complexidade, que se manifesta na forma de aumento de recursos e de energia disponível no ecossistema(c). O exemplo mais manifesto desse fenômeno seria a fotossíntese, que organiza energia radiada pelo Sol e a armazena na forma de hidrocarbonetos, num exemplo claro, portanto, de incremento do nível de complexidade. Nesse contexto, para Götsch a sucessão natural é entendida como a força motriz dos sistemas naturais que organizam e otimizam resíduos entrópicos gerando mais complexidade. Na agricultura, a técnica do pousio (interrupção temporária da atividade agrícola, pecuária ou silvicultura) parece contar com essa tendência da natureza de se organizar não só para preservar, como também para recuperar áreas exauridas. Para Götsch essa lógica se manifesta tanto no microcosmo quanto no macrocosmo e, em artigo publicado na década de 90(c), já apresentava seu entendimento de que mesmo os seres que aparentemente poderiam ser considerados como entrópicos em si - como por exemplo uma abelha que consome uma grande quantidade de néctar e pólen ao longo de sua vida - no balanço geral do sistema são altamente sintrópicos também, considerando-se os efeitos de sua ação dentro de um macro sistema - no caso da abelha, o enorme benefício proveniente da polinização. A própria ação dos predadores é entendida, segundo essa perspectiva, como um mecanismo por meio do qual essa estratégia “complexificadora” também se manifesta, uma vez que o resultado desse processo natural é fundamental tanto para o equilíbrio quanto para a potencialização dos recursos do sistema como um todo.

Dessa forma, entropia e sintropia são entendidas como constantes recíprocas, cuja relação dialética corresponde ao seno/cosseno, ou à expiração/inspiração, ou ainda ao ato de morrer/de nascer. Essa concepção de Götsch se aproxima dos estudos de Viktor Schauberger para quem "um dado fenômeno sempre tem sua contrapartida ou equivalência, e ambos os componentes devem sempre ser levados em consideração"(d). Sob essa ótica, podemos então afirmar que nossa experiência cotidiana diz respeito tanto aos processos entrópicos (como dito anteriormente), quanto aos processos sintrópicos.

Fica assim, cada vez mais clara a pertinência do título do artigo publicado por Ernst Götsch em 1995: "Homem e Natureza - cultura na agricultura". Para o pesquisador, a agricultura deveria ser aquilo que em seu princípio deu origem ao termo cultura como o cultivo ou o bem cuidar das mentes. A partir da compreensão da sintropia como o pulso da vida, o papel da agricultura seria então o de cultivar, ou bem cuidar, daquilo de que necessitamos na mesma lógica da natureza, ou seja, fazendo com que "haja aumento de recursos em todas as fronteiras"(e), além de propor uma maneira pela qual podemos sincronizar a atividade humana com as leis que regem os processos naturais. "Para conseguirmos isto, é preciso que haja em nós mesmos uma mudança fundamental, uma mudança na nossa compreensão da vida." (Homem e Natureza - cultura na agricultura, Ernst Götsch, 1995).”

(a) A Mecânica Estatística com Boltzmann em 1877, a Matemática com Luigi Fantappiè em 1942, a Teoria da Informação com Robert Lindsay em 1942, a Fisiologia com Albert Szent-Györgyi em 1974, a ecologia com Eugene e Howard Odum em 1988, a Economia com Henrique Leff em 2001, dentre outros.

(b) Syntropy: The Spirit of Love, Ulisse Di Corpo e Antonella Vaninni, 2015

(c) A concepção de sintropia por Ernst Götsch não incorpora a casualidade nem a dimensão temporal e, portanto, se afasta das teorias precedentes em alguns aspectos que serão abordados oportunamente.

(c) Homem e Natureza - cultura na agricultura , Ernst Götsch, 1995

(d) Living Energies, Callum Coats - An exposition of concepts related to the Theories of Viktor Schauberger, 1996.

(e) Vídeo Agenda Gotsch disponível em https://vimeo.com/agendagotsch

 

Foto 1 Foto 2 

Foto 3 Foto 4

Subcategorias

UFRJ PPGCIAC - Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação
Desenvolvido por: TIC/UFRJ